quinta-feira, 31 de maio de 2012

Qualquer dia é dia


Depois de tantos posts maravilhosos eu nem sei por onde começar a escrever, mas com tantos fãs não posso ser medrosa a ponto de deixar isso intervir no que será o tão esperado último depoimento de uma das jornadas mais inspiradoras, desde “O Clone”.

No dia dezenove de maio de 2012, o céu ganhou mais uma estrela, e essa com espaço VIP reservado: Lela Djehdian ( Constelação: Ophiuchus, coordenadas J2000, RA 16h55m28.36s DE-06°.19'33.08").

Desde a sexta feira santa minha mãe estava internada, e o que achávamos que seria uma breve passagem pelo hospital, causada inicialmente por uma trombose na veia cava, acabou virando uma bola de neve com uma série de pequenas complicações, que resultou em uma internação de 44 dias.

Dias de risadas, lágrimas, preocupações, visitas (que apareciam diariamente e faziam aquele quarto parecer um camarote de balada, só faltava a bebida- alcoólica por que a geladeira sempre estava cheia), angústias, olhares de todos os tipos, turbilhões de sentimentos...tudo que é possível e impossível imaginar.

Dormir no hospital era uma diversão, já que minha mãe garantia as risadas, e a companhia era a melhor de todas, mas uma vez que as luzes se apagavam, o medo e a insegurança davam o ar da graça, e faziam a noite parecer um dia, com praticamente o mesmo número de horas, e com a pequena diferença que o silêncio reinava pelos corredores, e as horas pareciam se arrastar lentamente, ao invés de passarem voando.

Para mim aquilo nunca foi problema, já que particularmente dormir sempre foi um tédio, mas eu só queria poder escolher algumas noites: COM ou SEM emoção...com certeza ficaria com a segunda opção.

Como vocês devem ter lido nos últimos posts, a Miss Armênia, era a mais popular do andar de Oncologia, inclusive, alguns médicos de alto escalão, da área de psicologia, que prefiro não mencionar o nome, faziam visitas praticamente todas manhãs para conversar com ela; afinal além de a adorarem (estava explicito no olhar deles, e apesar de ser anti-ético falar  tais palavras em voz alta, simples gestos já demonstravam aquilo) diziam que buscavam força nela, por que seu brilho era admirável.

De manhã era uma festa: as enfermeiras entravam no famoso quarto 2012, desejavam bom dia, verificavam se minha mãe estava viva, e comíamos nosso café da manhã, que sempre era especial. Nas últimas semanas em especial, quando eu  não dormia no hospital, fazia questão de passar na padaria cedinho (e por cedinho eu quero dizer o horário do pão, 7h00 no máximo) para levar suco de laranja natural, pão francês com mortadela, pãezinhos de queijo...tudo quentinho e com sabor de praia! Assim começávamos mais um dia de hospital...tomando um café da manhã delicioso...com direito a uma montanha russa de emoções.

Como a maioria de vocês sabe, as últimas semanas foram complicadas, apesar do bom humor de todo dia, afinal de contas ninguém é de aço. Gradativamente minha mãe piorava e como a Jessie disse no post do blog dela, vimos ela se apagando na frente dos nossos olhos, sem poder fazer nada que aliviasse sua dor/incomodo físico. Isso era angustiante.  Eu queria poder copiar e colar o texto da Jessica aqui, por que faço de cada palavra dela a minha, mas não quero ser acusada de plágio então vou tentar o meu máximo.

Nas poucas linhas que minha mãe conseguiu escrever para seu último post, que batizou de “Qualquer dia é dia” afirmou que o tempo no hospital estava sendo intenso, e que pessoas que ela não imaginava que viriam vê-la, vieram. Pessoas que só cumprimentaram ela superficialmente ao longo dos anos, como o nosso padre armênio Der Yesnig, que era fã da  vovó Tetê (reconhecida e respeitada na comunidade armênia por ter sido presidente da HOM -  Associação de Damas Beneficentes Brasil-Armênia), e sabia do câncer da minha mãe.

Disse  ter conversas que jamais esperava ter. Que fomos as melhores enfermeiras do mundo, e que cada vez mais precisava de nós. Como já havia sido previsto pelo médico há alguns meses atrás, ela não só havia perdido a mobilidade das pernas, mas também a força delas, não conseguindo nem ao menos sentar e se levantar sozinha o que era desesperador, para todas nós.

Em suas últimas linhas disse: “A Stephie tem se aproximado muito de mim, temos trocado confidencias, falado sobre o passado e o futuro, mas não é fácil, saber que a qualquer momento você pode zarpar...ficam tantas coisas não ditas, esquecidas.

Tias, amigas,  etc, se despedem como se eu fosse morrer de hoje para...”

Incrível como ela consegue ser poética até mesmo nessas horas não é?

Sei que a maioria de vocês deve estar pensando ou que eu tenho um humor negro ou que estou louca, pois esperavam que eu escrevesse esse post com tristeza. Não me importo.

O que passamos desde janeiro do ano passado até agora é um aprendizado que parece não ter fim. Cada dia é uma lição diferente, algumas mais difíceis, outras que tiramos de letra, mas cada dia é uma lição.

Durante os 44 dias de hospital, senti coisas fenomenais, aprendi com a minha mãe coisas que nunca tinha aprendido, acredito que por que eu não estava aberta para aprender aquilo tudo. Não estava preparada. E agradeço por que nesses dias, que eram os que eu mais precisava, consegui estar preparada para aprender tudo. Foi como se um holofote me iluminasse! Não sei bem explicar por que, nem como. Mas as coisas mudaram aqui dentro, e acredito que de todos nós, da noite pro dia.

Durante os 44 dias, fomos sendo treinadas e preparadas para tudo que estava acontecendo, e para o que acontece agora... por isso a serenidade, a calma, a força, os agradecimentos... tudo que nossa mãe sempre nos ensinou, estamos simplesmente praticando.

Se alguém me perguntar o que eu achei desta experiência, vou dizer que foi a experiência mais triste e linda da minha vida. Que me fortaleceu de uma forma inexplicável e hoje me tornei uma pessoa melhor graças a isso.Tudo era triste e lindo ao mesmo tempo. O amor que dava para sentir de longe no quarto de hospital, o carinho, a união, a compaixão....tudo. Tantas coisas que palavras não são suficientes para expressa-las.

Agradeço a forma que tudo ocorreu, por que afinal de contas Deus sabe o que faz, e isso se comprova cada dia mais. É só a gente saber abrir nosso coração e nossa cabeça para começar a enxergar, por que sinais não faltam.

Olhando no fundo dos olhos dela, disse que não tomaria aquele fim como sua morte, mas como uma passagem, que foi o que ela me ensinou a vida toda. O nosso corpo não passa de uma casca, e toda vez que ela olhava no espelho e se via, praticamente deformada...eu pensava naquilo. Ela não morreu, só realizou uma passagem, e por sinal de MUITA, MAS MUITA LUZ!

A minha mãe fez a passagem dela como um passarinho. Estava feliz e tranqüila nos últimos dias...como ela mesma dizia enquanto se empanturrava de sorvetes Häagen-Dazs...ela estava “TRANQS”...e arrancando gargalhadas de todos que estavam ao seu redor no quarto dava o sorriso mais fofo e tranquilizante de todo mundo.

Forte como um touro, ela demorou a entrar em sono profundo após a sedação... me deixando quebrar a cabeça sobre o que ainda devia ser feito para que ela fosse embora em paz.

Durante as duas últimas noites no hospital, dormi com ela, encolhida que nem uma recém nascida na poltrona, segurava a mão dela e não soltava durante todas as longas horas que se passavam. Tinha muito medo que algo acontecesse enquanto eu fechasse os olhos, e que por um deslize ou distração, eu não conseguisse sequer ajudá-la a tempo.

Depois que ela já havia entrado em sono profundo, e sabíamos que não acordaria mais, me despedi umas mil vezes... tinha medo que ela não fosse em paz (acho que isso era o que eu mais temia depois do que passamos; queria que soubesse que eu cuidaria de absolutamente tudo, inclusive e especialmente da Jé).

Na hora de sua partida, só estava eu, minha prima, meu tio Alex, minha tia Leila e Wania no quarto. Posso afirmar que foi praticamente uma cena de filme...emocionante e lindo.

Palavras não foram ditas, somente olhares foram trocados e lágrimas caíram discretamente pelo rosto de todos, que ao perceberem o que havia ocorrido ficaram tristes... mas tristes por cada um que estava presente naquele quarto, àqueles que perderiam a presença física de uma pessoa tão amada. Ao mesmo tempo acredito que todos sentiam uma sensação de alívio, de libertação grande, por ela. Por que como minha irmã mesma disse, o amor não é pra prender as pessoas, e sim para libertar.

Com o nosso sofrimento a gente aprende a lidar, o que nos importava era que aquela pessoa que todos nós amávamos tanto fosse embora bem, e em paz. Que depois de tanto sofrimento, finalmente fosse libertada e pudesse dar o tão esperado mergulho, pudesse voltar a pisar na areia, a tomar sol...tudo que merecia e amava.

Vi pessoas fortes como uma rocha chorarem, vi minha mãe consolá-las, juntar pessoas que jamais estariam no mesmo recinto, naquele quartinho...vi um quarto de hospital se transformar em uma sala de estar que na maioria de seus dias transbordava luz, alegria e esperança.

Aprendi a ver a vida de outra forma. Outro olhar nasceu, graças a minha mãe e seus ensinamentos; não me arrependo das minhas escolhas, das noites mal dormidas, do dinheiro gasto sem pensar, das semanas de aula em que faltei, das provas que perdi....de absolutamente nada!

Aliás agradeço a cada pequena coisa que aconteceu e acontece em cada dia da minha vida. Agora mais do que nunca as coisas simples da vida ficaram mais gostosas, e tudo tem um gosto novo e diferente a cada dia que passa!

Assim como a Jé, tenho o maior orgulho do mundo da minha mãe, e considero seu câncer o maior aprendizado que já vivemos,  tenho certeza de que para muita gente também. Ela pode não ter se curado do câncer, mas não deixou que a doença ofuscasse sua luz nem por segundo, e ainda por cima conseguiu iluminar a vida de todos que estavam ao seu redor.

Sou muito orgulhosa de ter tido a honra de nascer filha de um ser tão iluminado como ela, e espero poder passar esse aprendizado tão lindo às pessoas que passam pelo meu caminho.

Sua frase favorita foi comprovada- “The Love you take is equal to the Love you make”-  e seu nome viajou para inúmeros templos, igrejas, lugares distintos....desde Rio Grande do Sul, Aparecida, Fátima, Tibete....pela mão de pessoas amadas que queriam de alguma forma ajudar. E parece que suas preces foram escutadas por que afinal de contas, tenho certeza que o pedido de todos foi o mesmo: que a tão querida Lela Djehdian simplesmente ficasse bem!

Inclusive gostaria de agradecer em nome da minha irmã e da minha mãe, ao carinho e amor de todos, que fizeram essa frase acontecer! Palavras são muito pouco, nada no mundo pagaria o amor e apoio que vocês deram e continuam dando para nós! Nosso agradecimento é de coração, e esperamos que isso seja o suficiente! Obrigada de coração à todos vocês...e podem ter certeza de que tudo estaria sendo bem mais dificil sem esse amor todo...por que como uma pessoa especial escreveu uma vez e leu na missa de uma pessoa querida que perdeu “A leveza da alma é melhor que o compromisso com a matéria. O saldo final é sempre o amor.”

Os sinais de que minha mãe vem zelando por nós não podem ser ignorados... escutamos Beatles nos lugares mais estranhos possíveis, desde o supermercado, até restaurantes que a música não cabe muito ao ambiente, comemos em rodízios nos quais nos deparamos com “TSURUS” no teto, colocados do jeito mais mágico possível , (nada programado, pura coincidência), e ainda por cima que tem como sobremesa inclusa, sorvete Häagen-Dazs. Até mesmo ESTRELA CADENTE da varanda eu já vi! Tinha mais gente comigo então não, não foi uma alucinação! E detalhe para o fato de que estávamos em São Paulo (alguém já viu isso aqui?- difícil).

Bom, os sinais estão ai...basta abrirmos nossos corações e tentar libertar nossas mentes!

Espero que você tenha aprendido com o blog ...e lembre-se “SHIT HAPPENS”, MAS COM DRAMA TUDO CUSTA MAIS CARO, É O QUE TEMOS PRO MOMENTO, nunca esquecendo: LIVE WELL, LAUGH OFTEN, LOVE MUCH!!!
Stéphanie Djehdian





15 comentários:

  1. Stephanie, acabei de ler tudo o que você escreveu com muito carinho, lagrimas correram, mas um sorriso ficou em meus lábios. Não tinha notícias de vocês há muito tempo, e tive a "sorte" de encontrar uma mãe no facebook em abril, trocar poucas palavras com ela, ler o blog e saber do que estava acontecendo. Senti muito, e como não vivi o que aconteceu de perto, com o blog e agora suas palavras, me sinto como se tivesse vivido muito próxima de vocês. Sempre admirei sua mãe, mas agora acho que admiro mais ainda. Não sei se você e sua irmã Jessica se lembram de mim, mas me lembro muito de vocês, tenho fotos lindas de quando viajamos juntas, como lembranças também. Um beijo para vocês, moro agora no Rio de Janeiro, e se precisarem de alguma coisa que eu possa ajudar, podem contar comigo, Katia Correia ( esposa do Alfredo e mãe do Rodrigo )

    ResponderExcluir
  2. Stéphanie, estou tão emocionada que mal consigo escrever. Essa história triste e linda ao mesmo tempo, foi um grande aprendizado para todos nós. Eu com a idade que tenho, nunca tinha vivido nada parecido e nem aprendido de uma forma tão especial tantos valores essenciais à vida. Acho que todos nós amadurecemos e crescemos muito como seres humanos. Sempre conto para as pessoas, a lição de vida, de amor e de fé que a sua mãe tão lindamente nos ensinou.
    Você e a Jessica são muito especiais e sempre terão a sensibilidade de sentir sua mãe se manisfestando das mais lindas formas.
    A estrela Lela brilhará para sempre!!!
    Tenho muito orgulho e admiração por vocês!!!Contem comigo sempre!!!
    Milhões de bjos no coração de cada uma de vcs!!!<3 <3

    ¨A vida me ensinou...
    A dizer adeus às pessoas que amo, sem tirá-las do meu coração¨ <3

    ResponderExcluir
  3. Olha, o que dizer depois de ler tudo o que você escreveu? Meu Deus, como é difícil escrever chorando! O que tenho a dizer é que esta pessoa maravilhosa que se foi e que, com certeza, deixou o céu mais alegre por ser uma criatura muito iluminada, fez parte da minha vida por dois anos. Nós nos chamávamos de "companheira"! Era meio que um grito da classe proletariada como dizíamos. Passamos juntas alguns estresses no ambiente de trabalho, mas, no final, a risada era o que prevalecia. Até ensinar a passar o famoso delineador que ela sempre usava, claro, ela me ensinou.
    Sempre quando a ouvia falar com as filhas, eu dizia: quero ser para os meus filhos o que você é para elas, pois a admirava muito não apenas como mãe, mas como mulher! O jeito me lembrava muito o jeito da minha mãe, então a sua presença era, simplesmente, reconfortante para mim.
    Eu não sabia que ela tinha sido internada de novo. O que é um grande pesar porque teria largado tudo e ido vê-la. Porém, nunca vou me esquecer do seu jeito, suas palavras, seu otimismo, educação, enfim, são tantas as qualidades que escreveria aqui, um livro.
    Parabéns Stephanie e Jéssica pela mãe maravilhosa que vcs têm e tiveram. E se vierem a ter filhos, repassem toda essa lição de vida que ela vos deu para eles.
    Que Deus abençoe e contem comigo para o que precisarem.
    Um abraço,
    Fernanda

    ResponderExcluir
  4. Coisa linda! Despedida fantástica! parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Stéphanie, liiiindo texto...doce e cheio de ternura ! E esta foto fala por si só. Tudo isso fez passar um filme aqui na minha frente com muuuuitos momentos bons. Eles que devem ser guardados, sempre !(porque com drama , já sabemos que fica mais caro, não é ? rs ). Vejo através de você e da Jéssica, que sua mãe deixou aqui entre nós o maior valor que alguém poderia ter deixado a um filho - que é o valor do que ela foi como ser humano. Minhas queridas, quero ver vocês bem...com o coração tranquilo. Muitos planos, folhas novas , e que venha a primavera ! Contem sempre comigo ! Beijos Denyse
    ----------------------------------------------------------------------
    A folha se descobriu a perder a cor, a ficar cada vez mais frágil. Havia sempre frio e a neve pesava sobre ela.
    E quando amanheceu veio o vento que arrancou a folha de seu galho. Não doeu. Ela sentiu que flutuava no ar, muito serena.

    E, enquanto caía, ela viu a árvore inteira pela primeira vez.
    Como era forte e firme! Teve certeza de que a árvore viveria por muito tempo, compreendeu que fora parte de sua vida. E isso deixou-a orgulhosa.

    A folha pousou num monte de neve. Estava macio, até mesmo aconchegante. Naquela nova posição, a folha estava mais confortável do que jamais se sentira. Ela fechou os olhos e adormeceu. Não sabia que a folha que fora, já seca e sem vida, se ajuntaria com água e serviria para tornar a árvore mais forte. E, principalmente, não sabia que ali, na árvore e no solo, já havia planos para novas folhas na primavera.

    Leo Buscaglia ( A História da Folha)

    ResponderExcluir
  6. Ste, princesa vc não me conhece mas eu te vim no ventre...pequenina e amada e essa foto é de ocmo me lembro de sua mãe minha amiga de faculdade que falava rapido, pensava rapido e amava profundamente a tudo e a todos..ainda ouço sua voz e nossas gargalhadas, afinal com 20 e poucos anos o que mais se faz é rir..de tudo..do labios apertados, da emoção de te-la no ventre, de falar que parecia que tinha borboletas na sua barriga..de tudo..a Lela sempre ira existir no meu coração...eu queria que a estoria tivesse um outro final, mas...aplausos. Suas palavras são fortes, assim como filha da MIss Armenia que puxa aos seus não degenera...força, saúde, paz, e muita luz..quem sabe um ida todas nos nos encontraremos....bjos...

    ResponderExcluir
  7. te amo stéphie
    (e essa foto é a tradução de tudo que eu mais gosto em você e na sua família, em uma imagem!)

    ResponderExcluir
  8. Meninas, vocês deviam publicar um livro do blog.. não canso de ler as historias da Lela, e um post como o seu, Stephanie, finalizou muito bem essa jornada de postagens...
    Sua mãe É uma querida, e vai ser lembrada para sempre!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. filhas ...Ste e Je ... me orgulho muito da forca, responsabilidade e de tantos outros adjetivos que demonstraram durante esta dificil fase que passamos ... sempre adocados com muito muito amor,....Amo vcs mais que TUDO NO MUNDO .... bjs .

    ResponderExcluir
  10. Stéphanie e Jéssica, realmente sua Amada Mamãe fez a lição de casa direitinho, com muito louvor. Vcs são meninas maravilhosas, filhas adoráveis, isso foi o que sua Mãe sempre me disse. Tenha certeza absoluta que, ela "ouviu" seu blog no momento em que vc pensava e escrevia, essas palavras doces, meigas, maduras e verdadeiramente cheias de amor e saudades. Vc tem razão, ela é tão maravilhosa que o Cara lá de cima, quiz ela perto dele mais rápidinho.
    Contem comigo SEMPRE a qualquer hora.
    Un beijo para vcs.

    ResponderExcluir
  11. Sté ,que lindo!!! Sua mãe esta muito orgulhosa de ter uma filha muito especial e que no momento mais difícil ela cresceu e pode ter forças para ajudar a Prin. Não te conheço sou a mãe do Prin (Dani). Tenho um carinho imenso pela Prin , e sua mãe nem se fala. Quando for para Sampa vou querer conhecer você. Um beijo minha linda.

    ResponderExcluir
  12. Nossa, Sté, o que dizer depois de tudo o que vc disse aqui? Fico feliz e orgulhosa por saber que você está sendo forte e está lidando bem com tudo isso. Sua mãe estará sempre com vocês, pode ter certeza disso. Contem comigo para o que precisarem. bjs

    ResponderExcluir
  13. Sté, você não precisa se preocupar com o jeito que escreve... Suas palavras são tão lindas e tão emocionantes como as das sua mãe =)
    Chorei muito lendo tudo isso aqui...
    bjs pra você e pra Jé,
    Téia

    ResponderExcluir
  14. Sem comentários...a alma não escreve.
    Quero muito conhecer vocês 2 que eu vi dentro da barriga de sua mãe...vi nascer e hoje leio e releio a postagem que uma de vocês escreveu e...vi e senti muita sabedoria, eu realmente nunca tinha visto um aprendizado tão rápido. Aprendi o que é AMAR INCONDICIONALMENTE. Tão jovens ainda e com tanta ascenção.
    Quero muito que visitem meu blog e me autorizem a postar 'QUALQUER DIA É DIA"...UM VERDADEIRO MANUAL DE COMO AMAR SEM APEGO...pouquíssimos aprenderão. Vocês já sabem!
    Um bjo no coração de cada uma e espero vocês autorizarem ou não ok? farei com os devidos créditos.
    Valerinha

    http://lerica10.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Apenas hoje, mais de um ano depois, cheguei a este blog "reconfortante" para quem vivencia e compartilha a mesma situação. Não pude deixar de olhar para o céu e ver a estrela Lela brilhar. Confesso que tive um carinho especial por ela lendo o blog. Um abraço agradecido a vc também, Stéphanie, por ter mantido o blog "no ar" por este tempo..

    ResponderExcluir